Dom Luciano, memória viva nesses 10 anos de falecimento

22 de agosto de 2016 Categorias: Artigos Tags:

Após 10 anos da partida de Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, brota espontaneamente a memória viva e cativante da sua simplicidade, do seu amor aos pobres, das suas renúncias, da sua docilidade com a fraqueza do próximo, da sua firmeza e insatisfação na injustiça. Ele que foi desde sua morte chamado de santo, agora passa pelo resgate de suas virtudes evangélicas que devem motivar a vida cristã de cada homem e mulher no dia de hoje.

Dom Luciano nasceu no Rio de Janeiro no dia 5 de outubro de 1930 foi o primeiro bispo jesuíta no Brasil. Era arcebispo de Mariana quando faleceu aos 75 anos de idade no dia 27 de agosto de 2006. Exerceu funções de relevância nos diversos sínodos em Roma, foi secretário geral (de 1979 a 1986) e presidente (1987 a 1994) da CNBB. Atuou na Pontifícia Comissão Justiça e Paz, do Conselho Episcopal Latino-Americano e da Comissão Episcopal para a Superação da Miséria e da Fome. Porém, nada disso encerra a sua vida e muito menos sua santidade.

A santidade é vida que brota da cotidianidade da vida, onde se tem que desapegar, se libertar e se desprender de certas coisas para possuir outras. Grandes e pequenas renúncias se entrelaçam nos santos e isso não poderia ser diferente com nosso Dom Luciano, a fim de que levasse de forma mais efetiva na sua vida um amor total, sem horas, sem reservas para com seus pobres, que são também os pobres de Deus. Seu amor a eles em circunstâncias que poucos de nós seríamos capazes de amar colocou e ainda coloca em xeque nosso amor próprio, nossos egoísmos e falsidades.

Talvez, após essa década, perguntemos se Dom Luciano buscou a santidade pela santidade. Acredito que não, pois buscou, sobretudo, servir ao outro “in nomine Iesu”, “em nome de Jesus” sem grandes pretensões a não ser levar um poço de alento e conforto aos mais sofridos e excluídos, falando do amor de Deus por meio dos seus gestos de amor, do seu sorriso manso, da sua voz firme e profética, mas carregada de imensa sutileza, da sua vida de oração, que fazia assimilar e viver que o Evangelho de Jesus, Deus conosco, é acima de tudo Boa Nova de alegria às pessoas, uma mensagem de que Deus ama estar com os pequenos e impulsiona a quem tem fé e proclamar sempre que nenhum dos filhos de Deus estão sozinhos.

“Antes de tudo, devemos ter bem presente que a santidade não é algo que nos propomos sozinhos, que nós obtemos com as nossas qualidades e capacidades. A santidade é um dom, é a dádiva que o Senhor Jesus nos oferece, quando nos toma consigo e nos reveste de Si mesmo, tornando-nos como Ele é. Na Carta aos Efésios, o apóstolo Paulo afirma que ‘Cristo amou a Igreja e se entregou por ela para a santificar’ (Ef 5, 25-26). Eis que, verdadeiramente, a santidade é o rosto mais bonito da Igreja, o aspecto mais belo: é redescobrir-se em comunhão com Deus, na plenitude da sua vida e do seu amor. Então, compreende-se que a santidade não é uma prerrogativa só de alguns: é um dom oferecido a todos, sem excluir ninguém, e por isso constitui o cunho distintivo de cada cristão” (Papa Francisco, audiência 19/11/2014).

Nosso arcebispo marianense resguarda para a posteridade essa bela face da Igreja, que a torna mais santa, mais atraente e mais pertencente a Seu Senhor Jesus. Podemos fazer memória dos casos, encontros e gestos do bispo dos pobres; o mais importante que brota disso é quando tudo isso confronta com nossa vida e prática cristã e nos sentimos envergonhados pelas nossa misérias e instantaneamente acende em nós o desejo de sermos mais de Deus, de nos deixar cativar e envolver por Ele em um entusiasmo que transborda no amor e nas renúncias pelo nosso próximo, como ele pediu no leito de morte: “Não se esqueçam dos meus pobres!” Agora podemos dizer e repetir como ele: “Deus é bom”. E é muito bom ter essa certeza, como o é também pelo seu modelo, por sua vida que nos inspira e nos ajuda a conformar nossa vida à vida de Jesus.

Por Pe. Geraldo Trindade
Bacharel em filosofia e teologia, padre na Arquidiocese de Mariana.
Mantém o blog: http://pensarparalelo.blogspot.com.br