Por que é tão difícil aceitar que a gente erra?

14 de setembro de 2018 Categorias: Artigos Tags: , , ,

http://i65.tinypic.com/2wd7iqd.jpg

Não, errar não é sinônimo de imperfeição ou fracasso! Errar é uma característica e um direito que só os seres humanos têm. Não somos perfeitos, mas temos três maravilhosos atributos: inteligência, vontade e liberdade.

Então, se errar é um direito, por que dói tanto reconhecer que erramos? Porque o mundo nos vendeu a ideia de que temos que fazer tudo perfeitamente. Se errarmos, significa que não somos tão bons ou aptos para o que quer que seja. Ah! Esse ego é, às vezes, tão conselheiro!

Não querer cometer erros vai contra a autoestima, que nos convida, insisto, a buscar uma perfeição que não existe, a perseguir uma excelência com pouca retidão, pois, com isso, pretendemos ser amados e aceitos. Como se a perfeição fosse sinônimo de amor e aceitação!

Penso que o fato reconhecer os nossos erros nos faz mais humildes e nos torna pessoas melhores. Além disso, aprendemos mais com os erros do que com os acertos. Se nos equivocamos, só temos que assumir as consequências.

A vida passa mais rapidamente quando nos permitimos errar, reconhecer o erro e pedir perdão. Essa sim é a lição. Se não a aprendermos, será um grande erro.

O mais importante é que cada um, de acordo com suas capacidades individuais, faça o melhor que puder. E, assim, viva com dignidade, sem escândalos, sempre com verdade. Sim, somos imperfeitos e não vamos cometer um erro, mas muitos, muitíssimos. E daí? Permita-se ser imperfeito, permita-se errar e aprender. Solte a máscara da perfeição, pois ela pesa. Na verdade, quando aceitamos que podemos errar, a alma descansa. É como se tirássemos um monte de pedras das costas!

Atreva-se a ser você mesmo e faça o que você quiser, mesmo com medo de errar. A única condição é que esse “fazer” não atente contra a sua dignidade como pessoa e filho de Deus.

Quando você tiver dúvidas entre fazer e não fazer por medo de errar, faça! Porque, se você se equivocar, ficará a experiência. Se não o fizer, permanecerá a frustração e a dúvida.

Deixemos de ser tão duros com nós mesmos. Vamos ser mais humanos. Mesmo que a gente erre, tudo passa!

Se cairmos, vamos levantar, se errarmos, aprenderemos a lição e, da próxima vez, seremos mais cuidadosos na hora de tomar decisões. “O que não nos mata fortalece-nos”.

Via Aleteia